Ebola matou um terço da população de gorilas e chimpanzés nos últimos 25 anos

A espécie humana não é a única que enfrenta os efeitos devastadores do ebola: nossos parentes mais próximos, os chimpanzés e os gorilas, são ainda mais vulneráveis ao vírus, com taxas de mortalidade que podem chegar a 95% e 77%, respectivamente.
Para os humanos a letalidade gira em torno dos 50%, segundo a Organização Mundial de Saúde. Os números revelam que o desenvolvimento de uma vacina contra a doença é tão urgente para os macacos quanto é para nós – na realidade é ainda mais urgente, se levarmos em conta as estimativas atuais que afirmam que um terço da população destes animais não resistiu ao ebola e foi eliminada desde a década de 90.
Acrescente a ameaça do desmatamento, da destruição do habitat natural e da caça ilegal, e não fica nada difícil de entender porque os gorilas do oriente entraram para a lista vermelha da IUCN de animais em risco de extinção, e os do ocidente estão em risco crítico. Para se ter uma ideia do estrago que uma epidemia do vírus pode provocar entre estes primatas, em 1995 sucumbiram mais de 90% dos espécimes do Parque Minkébé, no norte do Gabão. Em 2002, um surto na República Democrática do Congo chegou a matar 5000 gorilas do ocidente – número que representa 5% de todos os animais da espécie que ainda vivem na natureza, estimados pela WWF em 100 mil. Usando a mesma porcentagem, é como se em uma única epidemia de ebola morressem 350 milhões de seres humanos.
Em 2003, o primatologista Peter Walsh e sua equipe já previam em um artigo que “sem investimentos agressivos na aplicação de leis, manejo de áreas protegidas e prevenção contra o ebola, a próxima década verá nossos parentes mais próximos serem levados à beira da extinção”. Parece que, infelizmente, os pesquisadores acertaram em cheio na previsão. Ao contrário da vacina para nós, para os macacos uma já foi testada e é comprovadamente efetiva e segura. Agora o processo está parado na etapa em que animais vacinados devem ser expostos ao vírus vivo – algo que a legislação de diversos países proíbe para grandes primatas, devido à semelhança cognitiva com os humanos. A questão é se, em um caso extremo como este, não seria válido abrir uma exceção.
Via IFLS

Postagens mais visitadas