Sem patas dianteiras, cadela Kiki anda 'em pé'

Uma cadela de um ano e seis meses é o xodó de uma família do povoado Gurupá, na Zona Rural de Teresina. E o carinho pelo animal tem um motivo especial. É que a cachorra não possui as patas dianteiras e por isso caminha com o corpo ereto, apenas com as patas traseiras. 

Carinhosamente chamada de 'Kiki', ela chama a atenção das pessoas que chegam na casa da dona Lucimar Costa da Silva. Segundo ela, 'Kiki' nasceu com a deficiência e desde os primeiros meses conseguiu andar sem os membros dianteiros. 
Animal consegue se levantar sozinho para caminhar (Foto: Gustavo Almeida/G1)
Animal consegue se levantar sozinho para
caminhar (Foto: Gustavo Almeida/G1)
"Ela já nasceu desse jeito e no começo conseguia andar bem mais. Agora depois que cresceu e ficou mais pesada, ela anda distâncias mais curtas", contou Lucimar Costa. De acordo com a dona de casa, o animal consegue andar cerca de cinco metros em pé e precisa descansar um pouco para voltar a caminhar novamente.
"Todo mundo que vem aqui com um celular quer tirar foto dela", revelou. Ela explicou que a mãe da cachorrinha já teve outros filhotes que nasceram com anomalia bastante semelhante, mas todos acabaram não sobrevivendo. Lucimar conta ainda que o animal come e bebe normalmente e não tem cuidados especiais.
Dona do anaimal conta que cadela é o xodó da família (Foto: Gustavo Almeida/G1)
Dona do animal conta que a cadela é o xodó da
família (Foto: Gustavo Almeida/G1)
Quando alguém põe a água ou a comida, 'Kiki' se levanta sozinha e caminha até a vasilha por conta própria. Na casa de Lucimar moram seis pessoas, mas o carinho pelo bicho vai muito além dos moradores. 
"Até os gatos são amigos e as vezes ficam pertinho dela como se ela fosse mãe deles", falou a proprietária. Dona Lucimar diz que nunca pensou em se desfazer da cachorra por causa da anormalidade, mas gostaria de um dia vê-la caminhar com menos sacrifício. E foi esse desejo que também chamou a atenção do motorista Marcos Antônio Gonçalves, um conhecido da família, que viu o animal e ficou tocado com o caso.
"Sempre vejo e fico comovido. Até pedi a cachorra para mim, pois gostaria de tentar conseguir um suporte para ajudá-la a caminhar sem dificuldade", disse. Ele acredita que uma espécie de prótese poderia fazer com que a cadela se locomovesse mais facilmente.
G1 mostrou as imagens do animal para um médico veterinário do Hospital Veterinário da Universidade Federal do Piauí (UFPI). De acordo com Paulo Marques, a anormalidade é rara e pode ter sido gerada por questões genéticas. "A informação genética para a formação completa dos membros torácicos, de origem do pai ou da mãe, possui defeito e por isso não houve a formação e desenvolvimento dessas estruturas", explicou.
Ele disse ainda que o fato do animal conseguir andar somente pequenas distâncias ocorre devido ao peso do corpo que é suportado apenas pelos membros pélvicos com mais massa muscular. "Isso faz com que a cadela ande com a coluna vertebral em posição vertical, o que não é da sua natureza", disse.
Do G1 PI

Postagens mais visitadas