Cão infecta quatro humanos com peste pneumônica

Um cão espalhou peste pneumônica para quatro pessoas, no estado americano do Colorado no ano passado, em um surto que autoridades dizem que poderia envolver a primeira transmissão de pessoa a pessoa da infecção nos EUA em 90 anos.



O casal de veterinários que tratou o animal, seu proprietário e uma amiga do proprietário desenvolveram pouco depois sintomas semelhantes aos do cão e foram testados com resultado positivo para Yersinia pestis, bacilo que causa a peste.Segundo o “Independent”, um estudo publicado nesta sexta-feira pela instituição americana CDC (Centers for Disease Control and Prevention) descobriu que a infecção se espalhou quando um cão da raça pitbull terrier de 2 anos adoeceu e, mais tarde, foi sacrificado por veterinários em 25 de junho de 2014.

Todos os quatro foram tratados com antibióticos e tiveram recuperação completa, diz a rede "NBC".

O Dr John Douglas, diretor do Tri-County Health Department, que abrange os condados de Adams, Arapahoe e Douglas, no Colorado, disse que há oito casos de peste em humanos a cada ano, em média.

“A peste é quase sempre confinada atualmente às regiões rurais no Ocidente”, disse ele à rede. “Isto é porque o vetor da praga é tipicamente o cão da pradaria, embora existam outros roedores que podem transmitir também”.

Trabalhando no mesmo departamento, Janine Runfola disse que o cão estava tossindo sangue, que provavelmente foi o meio de infecção de seu dono.

Os dois veterinários se automedicaram com antibióticos antes de serem levados para monitoramento e não adoeceram gravemente, fato que sugere a alguns pesquisadores pesquisadores que a praga poderia infectar os seres humanos sem seu conhecimento.
No entanto, uma amiga do dono do cão é um caso ainda mais preocupante para a equipe.
“Ela também teve contato com o cão e também teve contato mais intenso com o paciente quando ele ficou doente”, disse o Dr. Douglas.

A cronologia dos acontecimentos sugere ser mais provável que ela tenha contraído a doença a partir do dono do cão, e não do cachorro propriamente dito.

“Mas não há nenhuma maneira de ter certeza de que ela também não obteve a infecção a partir do cão”, acrescentou.

Mais detalhes sobre o caso podem ser encontrados no relatório do CDC (em inglês).





Postagens mais visitadas