'É dedicação em tempo integral', diz vaqueira que ensina gado a desfilar

Marisa Bekkers, 34 anos, encontrou espaço em uma profissão dominada por homens. Ela é pecuarista de uma pequena propriedade rural de Castro, na região dos Campos Gerais do Paraná, e trabalha como vaqueira nas exposições de gado leiteiro.

Marisa escolhe as melhores vacas do rebanho e embeleza os animais para as feiras agropecuárias. “Dou banho, faço a tosquia e ensino a desfilar”, comenta.
Há 15 anos, Marisa participa de exposições agropecuárias no Paraná, São Paulo e Minas Gerais. "É muito raro ver mulheres nessa área", diz. A vaqueira conta que o trabalho começa um mês antes da exposição. A partir da seleção do animal, Marisa começa a amansar a vaca, preparando o animal para a exposição em público.
A exposição e o julgamento das melhores vacas é precedida de cuidados extras. Marisa dá banho com produtos próprios e faz a tosquia da pelagem. “Tem que ficar bem bonitinha”, afirma.“Cada exposição é como um desfile de moda. Eu ensino a vaca a andar no cabresto, a desfilar, a se comportar em público. Tudo com muita paciência”, exemplifica. A criadora acredita que o resultado se alcança com carinho. “Cada vaca é chamada pelo nome, é tratada com muito carinho e com muita dedicação”, comenta.
A vaqueira herdou o gosto pelos animais dos pais, que são pecuaristas em Castro, e aprofundou o conhecimento na profissão com o marido, que também é produtor de gado leiteiro.
Vacas holandesas desfilam em julgamento da raça na 10ª Expofrísia (Foto: Raul Voorsluys/Assessoria de Imprensa)Vacas holandesas desfilam em julgamento da raça na 10ª Expofrísia (Foto: Raul Voorsluys/Assessoria de Imprensa)
“Desde os sete anos de idade eu ia onde ficavam as vacas para ajudar meus pais, eu ficava com a limpeza das tetas das vacas”, lembra. Em trabalho, Marisa conta que já levou pisão e cabeçada de vaca, mas ela releva, lembrando que o animal é bastante manso. “A gente aprende muito com a convivência, vaca é muito parecida com gente”, brinca.
Ela tem 88 animais na propriedade, em Castro, sendo que 36 estão em lactação e, portanto, são ordenhadas diariamente. O leite é vendido para laticínios da região. Marisa conta que a rotina é dura. “Acordo todo dia às 6h30, não tem feriado, não tem domingo”, comenta.
A pecuarista conta ainda que precisa dividir a atenção com a família. As filhas, de 7 e 5 anos, já aprenderam a gostar da lida com o rebanho, segundo a vaqueira. “Dizem que uma fruta não cai longe do pé, então acho que é isso que vai acontecer com minhas meninas”, aponta.
Exposição de gado leiteiro
Marisa participa da 10ª Exposição Agropecuária (Expofrísia) em Carambeí, nos Campos Gerais do estado. A exposição começou na terça (26) e termina na sexta (29) no Pavilhão da Associação Parque Histórico de Carambeí, na Avenida dos Pioneiros, 4.050.


A criadora está em uma das maiores bacias leiteiras do país. Segundo a Pesquisa Pecuária Municipal do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2013 – último dado disponível – o município de Castro produziu 230,7 milhões de litros de leite.
G1

Postagens mais visitadas