Medicamentos genéricos para uso veterinário devem ser regulados em breve


Em abril de 2015, a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Kátia Abreu, afirmou que a presidenta Dilma Rousseff deve regulamentar a produção de medicamentos genéricos de uso veterinário. A medida deve ser apresentada no início do mês de maio. 


Segundo Katia Abreu "Agora, com a regulamentação, as fábricas poderão produzir os genéricos a um valor mais baixo, o que representará redução no custo da atividade pecuária no País". Já temos a experiência em medicamentos humanos, temos medicamentos que baixaram o custo em até 70%", comparou. 


Em 2012, o governo sancionou a lei que estabelece o medicamento genérico de uso veterinário no Brasil. A lei conceitua os novos medicamentos veterinários e define os critérios para registro e comercialização no país. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento terá papel fundamental nesse processo: regular a produção e o emprego desses medicamentos, que devem ter a mesma qualidade, eficácia e segurança dos produtos convencionais. 


Após a adequação da regra vigente – voltada a medicamentos convencionais – para a inserção dos produtos genéricos, o ministério passará a ser o responsável pelo registro das substâncias e pelo acompanhamento desde a fabricação até o emprego desses insumos. 


Entre essas etapas, o Ministério da Agricultura também fará análise de fiscalização do medicamento genérico, mediante coleta de amostras do produto na indústria e no comércio, para confirmação da bioequivalência (conformidade dentro das características e uso recomendado). 


Os genéricos pet devem demonstrar, em relação aos medicamentos de marca, chamados de referência, que cumprem os critérios de bioequivalência e equivalência terapêutica nas espécies animais a que se destina. Em alguns casos será avaliada a taxa de excreção ou eliminação no organismo do anima, quando este for destinado ao consumo humano. 


Caberá ao Ministério da Agricultura, ainda, editar periodicamente a relação dos produtos de uso veterinário no país, seguida dos nomes comerciais e das respectivas empresas fabricantes. 


Manipulados 


Enquanto isso, em 2015 a procura por licenças para manipulação de medicamentos veterinários em farmácias de uso humano sofreu forte alta, já que desde dezembro de 2014 não é mais necessário instalar cabine exclusiva para manipulação de insumos de uso veterinário. 


Com as novas regulamentações o governo parece atender à crescente demanda do mercado pet brasileiro, que cresce exponencialmente, enquanto revela a insuficiente oferta de medicamentos especializados para cada tipo de animal doméstico. 

Postagens mais visitadas