Imagens mostram macacos entrando em quartos de hospital

Imagens gravadas na manhã desta quinta-feira (11), mostraram macacos entrando nos quartos do Instituto Estadual de Cardiologia Aloysio de Castro, no Humaitá, na Zona Sul do Rio. O Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro vai abrir uma sindicância para investigar o que acontece no hospital. Além dos animais, o instituto sofre com falta de medicamentos, material e falta de limpeza.

“Estamos já iniciando hoje uma ação judicial contra a situação de desamparo que a população está por falta de ação do governador do Rio de Janeiro. Vamos responsabilizá-lo criminalmente”, Afirmou o presidente do Cremerj, Fábio Vasquez.

A falta de material para a realização dos procedimentos também prejudica o atendimento aos pacientes. “Aqui falta válvula, aqui falta ‘remédios’, às vezes falta gaze, falta esparadrapo, álcool em gel. Roupa de cama não se troca, se troca quando tem roupa de cama para trocar”, afirmou outro paciente.Segundo outra mulher internada na unidade, a falta de medicação é um problema frequente ena unidade. “O atendimento pelos médicos ‘foram’ excelente, mas a gente não tem medicação. Muitas medicações eu tive que comprar. Eu tive que comprar Bezetacil, tive que comprar meu remédio de pressão, eu tive que comprar o remédio que eu uso para asma”.
Paciente limpa banheiro
De acordo com um paciente, ele já precisou limpar o banheiro da unidade cinco vezes devido a situação crítica em que se encontra o hospital. "Eu sou paciente do 605/5. Já limpamos umas cinco vezes, porque não tem pessoa da limpeza que não estão recebendo, o estado não está repassando a verba. A última vez que limpei o banheiro foi ontem [terça-feira] e hoje [quarta-feira] também pela manhã. Quando entope é um desespero", contou William, que está há cem dias internado. O hospital marcou a cirurgia nesta quarta-feira.

Indignados com a situação crítica do hospital, pacientes jogaram bilhetes pelas janelas para a equipe do Bom Dia Rio, onde contam que faltam medicamentos, que as cirurgias estão atrasadas e que o corpo de um paciente que morreu recentemente na unidade teve de ser descido pela escada porque os elevadores estão quebrados. Dos quatro elevadores, apenas um está funcionando.
A filha de uma paciente contou que a mãe está internada há dois meses esperando por uma cirurgia. E até agora não tem noção de quando isso vai acontecer. A mulher disse ainda que há uma ala em quarentena no sexto andar do hospital devido a uma bactéria na enfermaria. Os pacientes desta ala estão isolados.
A Secretaria Estadual de Saúde informou que não houve greve de funcionários da limpeza na terça-feira (9), como denunciado pelos pacientes. A secretaria disse que alguns funcionários faltaram e que a limpeza está normal na unidade. Já com relação aos elevadores, o governo do estado diz que os equipamentos são antigos e que a paralisação foi temporária.
Na frente do hospital há uma placa informando que o governo do estado está gastando quase R$ 1 milhão para reformar a fachada.

G1

Postagens mais visitadas