Restaurante oferece petisco e cerveja para pets

O apreço pela ideia de ter toda a família em volta da mesa inspirou um chef italiano a abrir um restaurante em Brasília que permite aos clientes desfrutar das tradicionais receitas das mammas e nonnas na companhia de pets.
A presença de cães e gatos é restrita à área externa, e eles têm direito a mordomias: petiscos e uma cerveja própria e não alcoólica no sabor carne. De acordo com o chef Ville Della Penna, pelo menos 15 animais de estimação passam pelo local toda semana.
"A ideia da mesa pet surgiu para o cliente compartilhar com o seu bichinho a experiência em nosso local. Como uma mesa bem italiana, com todos em volta dela, toda a família. Isso eu particularmente adoro, essa confusão italiana, sabe?", brinca o profissional.
O mais interessante é ter um cardápio para eles. Não fica aquela coisa tão desagradável, de eles só estarem ali. Quando você está no restaurante e eles ficam lá só sentados olhando, não é tão legal quanto eles poderem participar"
Gustavo Fedosseff,
veterinário e cliente
As refeições dos "cãopanheiros" são compradas em casas especializadas e servidas em recipientes descartáveis, para garantir que não haja contaminação entre eles e transmissão de doenças para humanos. A unidade da Dog Beer, servida em uma embalagem semelhante à das cervejas comuns, é vendida a R$ 13. Os petiscos custam aproximadamente R$ 15.
Os clientes são orientados a manter os animais sempre de coleira. Por causa do serviço diferenciado, o Piccolo Emporium, que surgiu há seis meses e funciona dentro de uma galeria em Águas Claras, já sediou um encontro de 13 cães da raça golden retriever.
"Foi bem legal a bagunça", lembra Penna, acrescentando que não pretende expandir o cardápio para animais. "Lá é um restaurante para humanos que por acaso aceita pets. Isso eu gosto de esclarecer sempre."
Donos posam com cães na entrada de restaurante de Brasília que oferece petiscos e cerveja própria para pets (Foto: Piccolo Emporium/Divulgação)Donos posam com cães na entrada de restaurante de Brasília que oferece petiscos e cerveja própria para pets (Foto: Piccolo Emporium/Divulgação)
Dono do cão Barolo, um springer spaniel de 3 anos, e apaixonado por animais, ele diz acreditar que o diferencial do restaurante é permitir uma convivência mais democrática. "Na verdade não tinha a ideia de levar ele comigo a todos os lugares, mais por ele mesmo do que por mim. Mas gosto da ideia de, se achar conveniente, poder levar."
"Levo lá porque eu já era cliente antes de ter o cachorro, e, como lá aceita animais, não preciso deixar o Chivas sozinho em casa. Assim podemos ficar mais tempo na rua sem ter pressa pra voltar", afirma Ribeiro.A ideia também fascinou o comerciante Felipe Mamare Ribeiro e a mulher dele, Mariana. O casal, que tem um bulldog francês de 6 meses chamado Chivas, conta que costuma ir toda semana ao local. O restaurante funciona de terça a sexta entre 16h e 22h, aos sábados das 11h às 23h e aos domingos entre 11h e 16h.
O veterinário Gustavo Fedosseeff tem nove cachorros e já levou três deles ao estabelecimento. Só o rottweiler Orion, de 6 anos, já acompanhou o "pai" em três ocasiões.
Para o dono, a experiência é diferente das opções tradicionais e proveitosa. "O mais interessante é ter um cardápio para eles. Não fica aquela coisa tão desagradável, de eles só estarem ali. Quando você está no restaurante e eles ficam lá só sentados olhando, não é tão legal quanto eles poderem participar."
O chef Ville Della Penna no balcão do Piccolo Emporium, em Brasília (Foto: Raquel Morais/G1)O chef Ville Della Penna no balcão do Piccolo Emporium, em Brasília (Foto: Raquel Morais/G1)
A administradora Ana Paula Leite Sousa vai ao restaurante uma vez por mês e diz que, mesmo sem ter animais de estimação, aprova a ideia do chef italiano. Ela garante que nunca se sentiu incomodada com a presença dos bichos. Nunca houve briga no local.
"Achamos a ideia sensacional, uma oportunidade para as famílias saírem de casa com a turma completa. Um diferencial entre os restaurantes de Brasília", afirma. "[Quando tinha cachorro] Sentia muita falta de lugares assim, para curtir e aproveitar meu tempo com ele. Quem tem um animal de estimação sabe a importância de estar junto, presente e com ele participando das atividades em família."
G1

Postagens mais visitadas