Fiscal extorque R$ 80 mil de empresário e acaba preso, diz polícia

O fiscal da Vigilância Sanitária da Prefeitura de Boa Vista, Thiago Souza, foi preso em flagrante nesta terça-feira (15) por suspeita de tentar extorquir R$ 80 mil de um empresário. O valor, conforme investigações do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público, seria para o fiscal cancelar duas multas que ele teria aplicado à empresa.


As autuações, nos valores de R$ 120 mil e R$ 250 mil, foram aplicadas em agosto durante uma fiscalização sanitária realizada no estabelecimento. Após dois dias, o suspeito teria ido à empresa e exigido do proprietário os R$ 80 mil e em troca ele 'daria fim às penalidades'. A ação de Thiago Souza, segundo o Gaeco, teve a participação da contadora do empresário, que teria feito um acordo de receber R$ 30 mil da extorsão.

"Tudo começou quando o empresário procurou o Ministério público para dizer que havia sido multado e o fiscal teria exigido dele R$ 80 mil para que fossem canceladas os dois autos de infrações. Diante disso, nós dissemos que ele poderia dar continuidade às negociações com o fiscal e nos informar quando e onde seria o pagamento. Dessa forma, hoje o empresário combinou um lugar para entregar o dinheiro e o fiscal foi preso em flagrante", relatou o promotor que participou da prisão, José Rocha Neto.

A participação da contadora só foi descoberta após a prisão do fiscal. De acordo com a advogada da empresa, Monica Cseke, as negociações foram feitas por meio da funcionária.

Conforme o promotor, ela foi autorizada pela empresa a marcar um lugar e entregar o dinheiro ao fiscal. "A contadora não sabia que o MP estava investigando. Nós suspeitávamos que ela também pudesse estar envolvida na corrupção", disse.

"A participação da contadora foi identificada quando ela, que estava com o dinheiro para entregar ao fiscal, também foi levada para o Ministério Público. Quando chegou lá ela estava bastante nervosa e entrou em contradição. Os promotores pegaram o celular dela e viram conversas que combinavam sobre qual o valor deveria ser extorquido do empresário", lembrou a advogada.

O fiscal da Vigilância Sanitária e a contadora foram presos pelo Gaeco e levados para o Núcleo de Repressão a Crimes Contra a Administração e Serviços Públicos. Conforme o promotor de Justiça, diante do flagrante o fiscal admitiu o crime. Os dois suspeitos devem ser indiciados por corrupção ativa.

"Sobre as multas aplicadas ao empresário ele deve responder. Porém, neste caso de corrupção, onde o fiscal exigiu dinheiro, ele foi apenas vítima. Importante destacar que qualquer exigência feita por agente público deve ser denunciada ao Ministério Público ou à polícia para que sejam tomadas as providências", orientou o promotor.

Até às 18h30 [horário local] desta terça os suspeitos ainda estavam na delegacia.

O que a prefeitura diz
Por meio de nota, a prefeitura de Boa Vista informou que até o momento não recebeu nenhuma notificação oficial sobre o fato citado e assim que as informações sobre o caso forem confirmadas estará à disposição para prestar os esclarecimentos necessários.

G! RR

Postagens mais visitadas