Uma 'ponte' com homens modernos: Por que é tão importante a descoberta do novo esqueleto

A descoberta de esqueletos parciais de 15 indivíduos é a maior do seu tipo na África do Sul e impressionou os pesquisadores. Os estudos, divulgados na publicação científica Elife, também indicam que esses indivíduos seriam capazes de ter um comportamento ritual.
As espécies, que foram nomeadas naledi, foram classificadas no grupo, ou gênero,Homo, que é o mesmo a que pertence o humano moderno.
Os pesquisadores não conseguiram precisar a data exata em que essas criaturas viveram, mas o cientista que liderou a equipe, Lee Berger, disse à BBC que esses indivíduos poderiam ser os primeiros desse tipo (Homo) e poderiam ter vivido na África há cerca de 3 milhões de anos.
Berger acredita que o Homo naledi pode ser considerado uma "ponte" entre os primatas bípedes e os humanos modernos.
"Fomos para lá com a ideia de recuperar um fóssil. Isso acabou se tornando uma descoberta de múltiplos fósseis. Que se tornou a descoberta de múltiplos esqueletos e múltiplos indivíduos!"

Image copyright
Image captionDiferenças entre o crânio do Homo naledis e do humano moderno

"Então, até o fim daquela experiência inesquecível de 21 dias, nós tínhamos descoberto o maior conjunto de fósseis humanos (da história) no continente africano. Essa foi uma experiência extraordinária!"
Chris Stringer, do Museu de História Natural britânico, classificou a descoberta como "muito importante".
"Estamos descobrindo mais e mais espécies de criaturas, o que sugere que a natureza estava 'experimentando' qual seria a melhor forma de evoluir os seres humanos, dando assim origem a vários tipos diferentes de criaturas 'humanoides' em diferentes partes da África. Apenas uma linha deles, porém, sobreviveu para dar origem a nós", disse ele à BBC.

Importância

As ossadas estão sendo mantidas em um quarto seguro na Universidade de Witwatersrand, em Johannesburgo, na África do Sul, e a BBC visitou o local com Lee Berger.
A porta para o quarto parece aquelas que fecham os cofres de bancos. Berger explicou que todo o nosso conhecimento sobre os ancestrais humanos é baseado em esqueletos parciais e crânios.
As ossadas de 15 esqueletos parciais incluem ossos de homens e mulheres de idades variadas – desde crianças a idosos. A descoberta é inédita na África e jogará luz sobre futuras conclusões sobre como os primeiros seres humanos evoluíram.

Image captionLee Berger foi o cientista que liderou a pesquisa

"Nós vamos saber tudo sobre essas espécies", disse Berger.
"Nós vamos saber quando seus filhos pararam de mamar, quando eles nasceram, como eles se desenvolveram e em que velocidade, as diferenças entre homens e mulheres em cada estágio de desenvolvimento, da infância para a adolescência, como eles envelheceram e como eles morreram."
É impressionante a preservação dos ossos encontrados: o crânio, os dentes e os pés pareciam ser de uma criança humana - mas eram do esqueleto de uma mulher idosa.
As mãos pareciam humanas também, até seus dedos, que se enrolam um pouco como os de um macaco.
Homo naledi não é como um humano primitivo encontrado na África. Ele tem um cérebro minúsculo – mais ou menos do tamanho do de um gorila – e uma pélvis e ombros primitivos. Mas ele é colocado no mesmo gênero humano por causa do formato mais progressivo do seu crânio, dos dentes pequenos, das pernas longas e dos pés modernos.
"Vi algo que eu jamais pensei que fosse ver em toda a minha carreira", disse Berger. "Foi um momento para o qual, mesmo depois de 25 anos de paleoantropologia, eu não estava preparado."

Image captionEsqueleto da mão do Homo naledi e do homem moderno

Como aconteceu a descoberta

Uma das perguntas mais intrigantes que surgiram após a descoberta foi: como aqueles ossos foram parar ali?
A BBC visitou o local onde os esqueletos foram encontrados, a uma hora de carro da universidade. É uma área chamada de "Berço da Humanidade". A caverna leva a um túnel subterrâneo por onde parte da equipe de Berger foi rastejando em uma expedição bancada pela National Geographic Society.
Como o túnel era estreito, coube às mulheres menores rastejar pela escuridão, iluminadas apenas por suas lanternas na cabeça em uma jornada precária que durou 20 minutos - até encontrarem uma câmara que continha centenas de ossos.
Uma dessas mulheres era Marina Elliott. Ela mostrou a entrada estreita para a caverna e depois descreveu como se sentiu quando viu pela primeira vez a câmara.
"A primeira vez que fui para o local da escavação, eu comparava com a sensação que (o arqueólogo) Howard Carter deve ter tido quando abriu a tumba (do faraó egípcio) Tutancâmon – você está em um espaço muito pequeno e, de repente, ele se abre e você pode ver coisas maravilhosas! Foi incrível", disse ela.

Image copyright
Image captionPé do Homo naledi e do homem moderno

Elliott e seus colegas acreditam ter encontrado uma tumba. As pessoas Homo naledi daquela época parecem ter carregado os indivíduos para aquele sistema de cavernas e deixado-os ali – possivelmente, por gerações.
Se essa percepção estiver correta, sugere que os naledi eram capazes de um comportamento ritual e possivelmente um pensamento simbólico a ponto de enterrarem os mortos em tumbas – algo que só era associado aos humanos muito mais evoluídos, que viveram há 200 mil anos.
"Nós vamos ter que contemplar algumas coisas muito profundas sobre o que é ser um humano. Será que estivemos errados por todo esse tempo sobre esse tipo de comportamento que nós achamos que era só de humanos modernos?", disse Berger.

Image captionEquipe de cientistas que fez a descoberta dos 15 esqueletos na caverna

"Será que nós herdamos esse comportamento de tempos muito antigos? Será que é algo que nossos ancestrais sempre foram capazes de fazer?"
Berger acredita que a descoberta de uma criatura que tem uma mistura tão grande de características primitivas e modernas deveriam fazer os cientistas repensarem a definição sobre o que é ser humanos – tanto, que ele próprio está relutante para descrever o naledi como humano.
Outros pesquisadores que trabalham na área, como Chris Stringer, acreditam que o naledi deve ser descrito como um ser humano primitivo. Mas ele concorda que as teorias atuais precisam ser reavaliadas e que apenas arranhamos a superfície da rica e complexa história da evolução humana.
Da BBC

Postagens mais visitadas