Exportação de jumentos para China gera protestos

“O jumento, nosso irmão”, como dizia o Padre Antônio Vieira, ícone da proteção aos jumentos do Ceará, pode ter um doloroso destino na China – país interessado na compra de um milhão de asnos brasileiros para abate.
A notícia, que vem chocando muitos defensores de animais desde a semana passada, gerou várias petições para tentar impedir que o governo brasileiro aceite a proposta chinesa (veja como assinar no final da matéria).
A questão envolve vários fatores preocupantes, entre eles, o transporte de navio, longo e estressante durante o qual muitos animais entram em desespero e até morrem. E não é assunto novo. Desde 2012 os chineses estão negociando a venda de jumentos para serem usados como alimentação e na indústria de cosméticos. Três anos atrás o tema revoltou, inclusive, ativistas estrangeiros como Brigitte Bardot que enviou carta à presidente Dilma Rousseff com os dizeres: “Eu, que amei tanto o Brasil, estou indignada de ver este país colaborar com a China para matar, a cada ano, 300 mil burros explorados pelo homem e que deveriam ser deixados em paz”.
Embora a tensão em torno do tema tenha diminuído de lá para cá com uma suposta negação à proposta chinesa, matéria publicado no UOL diz que jumentos já são exportados para aquele país há mais de cinco anos: “A China mata cerca de 1,5 milhão de jegues por ano, uma parte produzida no próprio país e outra na Índia. Apesar de toda essa demanda dos chineses, 2015 foi um ano fraco para a exportação do animal em comparação a outros anos. Enquanto neste ano as vendas ficaram em US$ 15,4 mil, em 2008 elas chegaram a somar US$ 309,3 mil, o equivalente a 22,4 toneladas. O recorde financeiro, no entanto, foi em 2010, quando o Brasil fez US$ 385,7 mil em vendas e desembarcou 14,9 toneladas de asnos no exterior.
Jumentos são resgatados das estradas do Ceará. Foto: Divulgação
Jumentos são resgatados das estradas do Ceará. Foto: Divulgação
Leitor da Anda denuncia abate de jumentos
“Há a necessidade de organizar movimento contra o frigorífico de Araguari, em Minas Gerais, que mata jumentinhos trazidos do Nordeste. Ademais, impedir a exportação de jumentinhos para a China. Dentre outras atrocidades, o chinês tira a carne do jumentinho enquanto ainda vivo”, diz José Sebastião Afonso.
Quatorze jumentos morreram dentro de uma carreta antes de desembarcarem num frigorífico de Araquari no dia 9 deste mês. Eles saíram do Piauí e ficaram mais de 48 horas sem alimentação ou água. O carregamento tinha 137 animais que enfrentaram um longo sofrimento, tratados como objetos sem qualquer necessidade de alimento, espaço e descanso. Ou seja, o jumento já está condenado ao martírio aqui mesmo, dentro do Brasil.
Mas há quem lute, e muito, em defesa desses animais. Foi o caso do Padre Antônio Batista Vieira, morto há 12 anos, fundador do Clube Mundial do Jumento e cujo trabalho inspirou a criação do Parque que leva seu nome e abriga 5 mil jumentos na Fazenda Santa Quitéria, no Ceará. No santuário estão os animais abandonados nas estradas e levados para a fazenda graças a um acordo com o Detran.
Eles recebem atendimento veterinário, alimentação e contam com um belo espaço para viverem. Mas a iniciativa depende de donativos para continuar seu trabalho e, inclusive, também está pedindo que as pessoas impeçam que os jumentos sejam exportados para a China. O Parque tem uma página no Facebook.
Vale lembrar que jumento, jegue e asno são exatamente o mesmo animal. Já o burro é fruto do cruzamento de uma égua com um jumento. Quando é macho é chamado de burro, mas se nascer fêmea é mula. O jumento é famoso por sua grande resistência já que durante muito tempo foi escravizado para transportar cargas pesadas em seu lombo e permanece assim até hoje.
No Parque Padre Antônio Vieira os jegues recebem atendimento veterinário. Foto: Divulgação
No Parque Padre Antônio Vieira os jegues recebem atendimento veterinário. Foto: Divulgação
Petições para impedir exportação à China
Petição para apoiar o PL 5949 do Deputado Ricardo Izar – PSD/SP, que dispõe sobre a proibição de abate de equinos, equídeos, mulas e jumentos em todo o Brasil. Já tem 50 mil assinaturas, mas a meta é 75 mil.
Petição que também pede que não seja fechado acordo com a China que está com 17 mil assinaturas, mas pretende chegar a 25 mil.

Postagens mais visitadas