Cadê minha água?

"São Paulo é uma Sugadora de água. Busca recursos longe enquanto seus rios estão podres." A sentença da urbanista Marussia Whately, da Aliança Pela Água, define a maior metrópole brasileira: um ralo. Por ele escorrem bilhões de litros diários. Os reservatórios secam. Não por culpa da chuva, que rareou em 2014, mas porque sai mais água das represas do que a natureza repõe.
É aí que se evidencia a crise: ela é cultural. E nacional.
No Brasil, quando a fonte seca, a primeira solução é buscar água em outro lugar. Não importa se será preciso bombeá-la por vários quilômetros ou se ela terá que escalar montanhas. Seguimos o curso de extinção dos recursos, esgotando mananciais e explorando outros mais distantes. Para Marussia, que também é especialista em gestão de recursos hídricos, encarar o problema assim é um erro. Torramos dinheiro em planos de emergência e deixamos de investir no básico: eliminar gastos desnecessários.
A seguir, comparamos o volume de água que o estado de São Paulo estima levar para a capital e o quanto poderia ser recuperado com soluções alternativas. O segredo é racionalizar o consumo de água.

Solução do governo de São Paulo: trazer água de longe

O plano de emergência do governo paulista para contornar a crise é buscar novas fontes de água. as medidas incluem: ligar o rio Paraíba do Sul ao sistema Cantareira,  que abastece mais de 8 milhões de pessoas; uma adutora regional para levar água para a bacia dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí; um novo sistema de água, o São lourenço,  a mais de 80 km da capital; conexão do rio Pequeno à represa billings; e barragem dos rios Jaguari e Camanducaia. Há também dois projetos de estações de água de reúso, mas são da Sabesp, empresa fornecedora de água. Não há sequer menção a projetos de aceleração da limpeza dos rios, de expansão do saneamento básico, de combate massivo a vazamentos e roubos de água ou de subsídio a aparelhos mais econômicos nas casas. Não que essas soluções sejam fáceis de colocar em prática. Não são. Mas são mais elementares e sensatas. Sem elas, a cidade continua a ser um ralo - cada vez maior.
Trazer água de outros lugares
Obras para aumentar a disponibilidade hídrica

Ganho 28 mil litros/s
Tempo 30 meses
Custo R$ 5,6 bilhões

Solução 1: trocar descargas

O Brasil tem água de sobra - 12% da  água doce do mundo. Com exceção de quem vive no semiárido, o brasileiro nunca se preocupou com falta d?água. até que ela faltou. Só aí reparamos em nossos absurdos diários.
Usamos água de beber - a  mais pura que existe - para tudo. inclusive dar descarga no cocô. Nunca cogitamos fazer isso com  água de reúso.  Na construção de imóveis, instalar um sistema de reaproveitamento de água já usada nem entra em discussão. E não  é complicado: bastaria que as casas tivessem duas tubulações. Uma por onde flui a água tratada e outra por onde corre água reciclada. Esta  última viria de um tanque em que  são despejadas a água da máquina  de lavar roupa, da pia do banheiro  e do chuveiro, por exemplo. após  ser filtrada, ela pode regar plantas  e mandar o cocô embora. Depois,  tudo segue para a rede de esgoto  e o ciclo recomeça no próximo banho.
Cerca de 60% da água gasta  em uma casa pode ser reutilizada. Países como EUa e austrália regulamentaram a instalação  de sistemas de reúso. Na Europa, pesquisadores identificaram que reaproveitar gera emprego.  Mas, antes de modernizar a casa inteira, poderíamos começar com  algo simples: trocar nossas descargas por modelos mais econômicos,  que gastam até 65% menos.  Na década de 1990, após uma sucessão de crises hídricas, Nova York trocou  1 milhão de descargas. E pagava para as famílias que quisessem trocar  por conta própria. Outra medida  foi criar metas de consumo.  Quem extrapola paga multa.
Trocar descargas 
Instalação de 1 milhão de dispositivos  mais econômicos

Ganho 200 litros/s
Tempo 3 anos
Custo R$ 375 milhões

Solução 2: consertar  tubulações

Nova York tinha a opção de seguir construindo mais represas. Mas concluiu que não fazia sentido captar mais água antes de investir na preservação dos mananciais e na rede de abastecimento. E sabe como chegaram a essa conclusão? Quando mexeu no bolso. Para buscar novas  fontes, a cidade gastaria US$ 5 bilhões em valores da época. Com o programa  de economia e preservação gastaram  US$ 500 milhões: dez vezes menos.
A diferença está em saber onde o calo aperta de verdade. Em São Paulo, se perde quase 40% de água tratada, limpinha, em vazamentos e roubos, como ligações clandestinas. Isso ocorre antes mesmo  de ela chegar às torneiras. Um dos motivos desse desperdício é o excesso de gente que os canos têm que atender. A população cresce e é preciso aumentar a pressão nos tubos para a água chegar a todos. Mas a rede paulistana, que ainda tem tubulações da década de 1930,  não suporta a vazão e cede. O plano  de Nova York durou cerca de 30 anos -  só termina em 2023 -, mas todo ano a cidade renova 90 mil km de tubulações.
Outra medida nova-iorquina foi comprar terrenos nas margens e nascentes dos mananciais. Manter a vegetação nativa nessas áreas é fundamental para preservar a água dos rios. Para recuperar o sistema Cantareira, seria necessário replantar 30 milhões de árvores nas margens destruídas dos rios que o abastecem. De acordo com a Empresa brasileira de Pesquisa agropecuária (Embrapa), o custo estimado do plantio é de R$ 195 milhões. No brasil, essas matas são  ameaçadas por ocupações irregulares de pessoas, de empreiteiras e da agropecuária, que derruba florestas para usar o terreno como pasto ou plantação.
Consertar tubulações 
Diminuir perda de água de 40% para 10%

Ganho 15 mil litros/s
Tempo 30 anos
Custo R$ 5,4 bilhões 

Solução 3: construir  cisternas

No semiárido nordestino, onde a população depende da água da chuva para sobreviver, a estimativa do governo federal é de que 750 mil famílias tenham cisternas instaladas. Para elas, a água que cai do céu é aproveitada em vez de ir direto para a terra.  Em São Paulo, nestes tempos de crise, a população depende da boa mira de São Pedro para ser abastecida. Ou ele acerta a pontaria e faz chover dentro dos mananciais ou nada de água nas torneiras. Enquanto isso, toda a chuva que cai na cidade - e poderia complementar o abastecimento - deságua nos poluídos rios Pinheiros e Tietê.
Países com clima e hidrografia menos favorecidos que os nossos já se abastecem de água da chuva há muito tempo. Em israel e em Uganda, por exemplo, cisternas são instaladas nas escolas e mantêm os alunos estudando nos períodos  de seca. Na austrália, mais de 30% das famílias (cerca de  2,3 milhões) possuem cisternas em casa e usam a água da  chuva para atividades domésticas que não exigem água potável.  No sul australiano, 86% das famílias usam cisternas.
Em São Paulo, algumas pessoas desenvolveram sistemas  de captação da água da chuva por conta própria, sem incentivo nenhum para isso. Simplesmente instalaram calhas sob os telhados, direcionando a água para tonéis. Um movimento chamado Cisterna Já, que ensina como montar uma em casa, nasceu por iniciativa da população. Só no ano passado, o acumulado de chuvas na cidade de São Paulo foi superior a 1.200 mm. Considerando que cada residência da capital tem uma média  de 70 m² de área, um domicílio equipado com sistema de cisterna garantiria mais de 88 mil litros para a família em  2014 - água suficiente para consumo de um casal por um ano.
Construir cisternas
Captação de água da chuva nas residências

Ganho 19 mil litros/s
Tempo 3 anos
Custo R$ 900 milhões
Solução 4: universalizar  a rede de esgoto
São Paulo virou as costas para seus rios. Em vez de  fazerem parte da paisagem e serem fonte de abastecimento, são canalizados, têm suas margens concretadas  e acabam servindo como depósito de esgoto de toda a cidade. Uma alternativa para tentar recuperar os rios  é investir em políticas de moradia que contemplem a  construção de parques lineares. Apesar de criticados  por gerar desapropriações, os parques normalmente  são preservados pela população, e a vizinhança corre  risco muito menor de sofrer com inundações.
Além de não cuidar dos rios que cortam as cidades, o Brasil trata apenas 39% dos esgotos. De acordo com a Sabesp, em São Paulo, mais de 13 mil litros/s não são coletados e caem direto nos mananciais. Do esgoto coletado, mais de 30% não é tratado. O projeto de despoluição do  rio Tietê, iniciado nos anos 1990, ainda está longe de ser concluído. O melhor exemplo de despoluição está em Seul, Coreia do Sul, onde o rio Cheonggyecheon foi despoluído em apenas quatro anos - de 2003 a 2007 - a um custo  de US$ 370 milhões.  
No Plano Nacional de Saneamento Básico consta que seria preciso investir R$ 303 bilhões em 20 anos para o Brasil conseguir universalizar os serviços de água e esgoto. Apesar de isso parecer uma realidade distante, cidades como Piracicaba (SP) servem como exemplo. A prefeitura fez uma Parceria Público-Privada e, com investimento  de R$ 180 milhões, alcançou os 100% em dois anos.  Dentre as capitais, Curitiba é a que chega mais perto  da meta: coleta e trata mais de 90% do esgoto.
Universalizar a rede de esgoto
O Plano Nacional de Saneamento prevê acesso de todos os brasileiros a água e esgoto 

Ganho 22 mil litros/s
Tempo 15 anos
Custo R$ 15 bilhões

Solução 5: modernizar  sistemas de irrigação

O usuário comum não é quem gasta mais água. O uso doméstico equivale  a 10% da água potável consumida no Brasil, enquanto a indústria usa 20%  e a agricultura, 70%. Na verdade, indiretamente esse consumo nem é 100% brasileiro. Exportamos alimentos para mais de 180 países, principalmente para China, União Europeia e EUA. Estima-se que, só de soja e milho, vamos vender  65 milhões de toneladas para o exterior este ano. Com os grãos, vai embora também nossa água, praticamente  de graça. Para cada quilo de milho, são 900 litros de água empregados.  Na produção de soja, gastamos o dobro. E lá se vão mais de 100 quatrilhões  de litros para fora do país em um ano.
O consumo dos nossos rebanhos também não fica atrás. O Brasil é líder mundial em exportação de carne bovina desde 2008: são mais de 1,5 milhão de toneladas por ano. E lá se vão mais  23 trilhões de litros da água amada,  idolatrada, salve, salve.
Países como a China já concluíram que vale mais a pena importar água virtual do que plantar. De 1985 a 2010,  a importação de água subiu de menos  de 10 km³ por ano para 150 km³. Israel importa mais de 80% dos alimentos que consome. d Isso não quer dizer que a solução seja frear a produção ou parar  de exportar água, mas fazer esse negócio ser mais lucrativo. Usamos um sistema  de irrigação pouco eficiente, o de aspersão. Boa parte da água evapora antes de chegar à terra, outra parte fica nas folhas e metade chega às raízes. A  mesma produção é garantida com gotejamento,  que tem aproveitamento de 95%.
Modernizar sistemas de irrigação
Gotejamento na agricultura  economiza até 50% de água

Ganho 24 mil litros/s
Tempo 30 anos
Custo R$ 21 bilhões
Solução 6: reúso de água pela indústria
Num cenário de crise, a prioridade deve ser o abastecimento das pessoas. isso inclui dar condições para que elas participem da gestão da água e sejam parte da solução. O historiador natural José Tundisi, presidente do instituto Ecológico internacional, visitou mais de 40 países que viveram crises hídricas. Para ele, a palavra-chave para sair dessa situação é transparência. "No brasil, existe a mania de achar que transparência nesses casos causa pânico no povo. Pelo contrário. Transparência gera conscientização e engajamento", aponta.
Em São Paulo, por outro lado, há um  obscurantismo em relação à falta de água  e até uma negação oficial sobre a gravidade  do problema. ao mesmo tempo, a população  é pressionada a reduzir o consumo, sofrendo elevação nas tarifas e multas, além de um racionamento não-declarado em algumas regiões. Enquanto isso, grandes consumidores como shoppings e hotéis têm contrato de Demanda Firme com a Sabesp, um programa que garante o abastecimento de água em qualquer circunstância. Em 2014, ano em  que estourou a crise, as 526 empresas cadastradas receberam água normalmente. além disso, as que consumiram mais foram premiadas com tarifas menores.
No estado de São Paulo, o consumo  industrial equivale a quase 20% de toda  a demanda, de acordo com o Departamento de Águas e Energia Elétrica. a maioria nem  é servida pela Sabesp: tem outorga para retirar água direto de mananciais e nascentes.  Em contrapartida, não é exigido que reaproveitem esse privilégio. O consumo de uma fábrica poderia ser reduzido, no mínimo,  à metade, caso houvesse reúso.
Reúso de água pela indústria
Sistemas de reaproveitamento para empresas e outros grandes consumidores

Ganho 40 mil litros/s
Tempo 10 anos
Custo R$ 14,5 bilhões

Haja água

O plano paulista é mais rápido e barato do que a soma das soluções sugeridas na reportagem. A questão é que ele não resolve o problema - e, em breve, será preciso gastar mais dinheiro.  Com as soluções propostas, o volume captado seria cinco vezes maior, e nada disso seria paliativo. Não estamos falando de trazer mais água, mas de tornar nosso consumo mais racional.
Plano emergencial SP: 28.000 l/s em 2,5 anos
Custo: R$ 200 mil por l/s

Soluções somadas: 148.200 l/s em 40 anos
Custo: R$ 285 mil por l/s

Da Superinteressante

Postagens mais visitadas