Anvisa proíbe venda de lote de extrato de tomate com 'matéria estranha'

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu a venda de um lote do extrato de tomate da marca Elefante após um laudo detectar “matéria estranha”, de acordo com decisão publicada nesta segunda-feira (30) no Diário Oficial da União.

Segundo a Anvisa, a substância indica “risco à saúde humana acima do limite máximo de tolerância”.
A decisão afeta o lote L011810, com validade até 7 de outubro de 2016, e determina o recolhimento do estoque existente no mercado.


G1 procurou a Cargill Agrícola S.A, fabricante do produto, e aguarda retorno.

Pelo de roedor
Em 2014, a marca já havia sido alvo de proibição da Anvisa. A agência encontrou em um lote do extrato de tomate marca Knorr Elefante fragmentos de pelo de roedor acima da tolerância estabelecida, que é de um fragmento por 100 gramas.


À época, a Cargill Agrícola S.A divulgou nota informando que tomaria "todas as medidas cabíveis para avaliar o caso juntamente à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e à Vigilância Sanitária do Estado de Minas Gerais, a fim de comprovar a adequação do produto cautelarmente interditado". A empresa informou ainda ter apresentado recurso contra o resultado do laudo.

G1

Postagens mais visitadas