Por que o fim de semana deveria ter 3 dias

Um sonho: três dias de descanso por semana, sem nem pensar em trabalho. É muito mais justo. 

Teríamos 42% do nosso tempo semanal livre – e não apenas 28%, como acontece. A vida seria bem mais feliz e as pessoas muito menos chatas. E digo mais: a ciênciaconcorda. Confira abaixo três estudos que comprovam que o fim de semana deveria mesmo ter três dias.
Você seria mais saudávelPassar horas e horas no escritório deixa qualquer um stressado. E isso faz muito mal para a saúde do seu coração. Um estudo que avaliou os dados de mais de 600 mil americanos, europeus e australianos descobriu que trabalhar 55 horas ou mais por semana aumenta em 33% os riscos de ter um infarto. E essesworkaholics ainda têm 13% mais chances de sofrer qualquer outroproblema cardíaco. O ideal é trabalhar menos do que 40 horas semanais.
Sofreria menos de insôniaAté por que excesso de trabalho acaba com o seu sono. Outra pesquisa com 10 mil trabalhadores descobriu que quem trabalha menos do que 8 horas por dia caía no sono bem mais rapidamente do que os outros. Aí, além de dormir mais, quando acordavam se sentiam mais energizados que os outros.
E se sairia muito melhor no trabalhoPesquisadores da Harvard Business School obrigaram alguns funcionários de uma firma de consultoria em Boston para tirar um dia a mais de folga, toda semana. Depois de cinco meses nessa dura rotina, os clientes da empresa começaram a contar sobre a melhora dos serviços prestados por esses funcionários. Quem havia seguido o cronograma normal, de 50 horas por semana, apresentou resultados piores.
Ainda é pouco para convencer os chefes? Bem, outros estudos já mostraram que pessoas com sono costumam se meter mais em briga do que outras pessoas – isso por que elas entendem mal os sinais alheios, confundem sinais de decepção e raiva, por exemplo. E como trabalho em excesso dá sono… pelo bem do mundo, é melhor apostarmos logo em expedientes mais curtos – ou fins de semana maiores.
Crédito da foto: Belitas / iStock

Postagens mais visitadas