Ovos de granja interditada são tirados de supermercados

A Vigilância Sanitária começou a notificar nesta sexta-feira (24) donos de supermercados e comércios de Santarém, oeste do Pará que recebiam ovos produzidos na Avícola Tapajós, interditada na quinta-feira (23) em uma operação da Agência de Defesa Agropecuária do Pará (Adepará). 


Segundo a Vigilância, todos os supermercados devem suspender a venda disponível aos consumidores do município. Ainda pela manhã, alguns supermercados começaram a esvaziar seus estoques durante fiscalização da Vigilância.


De acordo com o coordenador técnico da Vigilância, Walter Matos, a empresa não apresentou informações de locais para onde os ovos estariam sendo comercializados. “Fomos notificados e informados sobre a situação da empresa, que não tinha inspeção sanitária e os ovos impróprios ao consumo. Vamos tirar os ovos das prateleiras, resguardando a integridade do consumidor e também dos proprietários dos comércios e supermercados”, explica.

Amostras de ovos devem ser coletadas para análise em laboratório. A intenção da Vigilância é saber se os ovos estavam ou não contaminados. “Pelo relatório que está sendo repassado para gente é que toda a produção estava comprometida. Na área de produção estava tendo contaminação, não propriamente o ovo, com a [bactéria] salmonela. Mas vamos encaminhar algumas amostras para garantir a saúde da população”, conclui Matos.

A operação
operação da Adepará ocorreu na quinta-feira na avícola localizada no km 28 da rodovia BR-163, comunidade Tabocal. Segundo a Adepará, a granja produzia e vendia ovos sem procedência e de forma irregular na região. O dono foi autuado e multado em mais de R$ 3 mil e toda a produção foi apreendida e teve que ser descartada por não obedecer a legislação. Mais de 6 mil ovos foram recolhidos e descartados no aterro de Perema.

Na operação, foram apreendidas ainda algumas aves mortas. O local também não possuía autorização para abate e venda de aves para o consumo humano. Conforme a Adepará, a avícola vinha passando por inspeções desde novembro de 2016 e o responsável chegou inclusive a ser orientado a se adequar a legislação, porém, foi constatada a falta de documentos em uma nova fiscalização realizada pela Agência.

Outro lado
Os funcionários da Avícola Tapajós não foram autorizados a gravar entrevista, mas, por telefone, o dono informou que está tomando todas as providências para regularizar a situação.

G1 PA

Postagens mais visitadas