Nova roupa de ginástica detecta quando você está suando

Não tem jeito, você provavelmente vai suar bastante se resolver sair para correr ou praticar alguma atividade física mais intensa. Claro, a experiência pode ser melhor ou pior conforme a roupa que você escolher. 

Cores escuras são pouco recomendadas para um dia de sol, e tecidos mais pesados, como o algodão, também tendem a estragar a experiência – deixando você ensopado antes mesmo de completar o primeiro quilômetro.
A boa notícia é que um grupo de cientistas do MIT, nos EUA, parece ter encontrado a escolha definitiva para tornar seus exercícios menos encharcados: uma roupa com sistema inteligente de ventilação. Esses “buracos” nas costas, que você pode ver na foto, se abrem quando seu corpo está mais quente, e fecham quando entendem que você já está refrescado. O sistema permite que o ar circule, diminuindo sua temperatura e, por tabela, o suor.
Os buracos da bioLogic funcionam como uma espécie de persiana: abrem parcialmente para liberar a entrada de ar. E o mais curioso ali é o sensor da roupa. Ele não é eletrônico. Quem comanda a abertura dos buracos é uma bactéria.
Escherichia coli, bactéria escolhida pelos cientistas para essa tarefa, é nossa velha conhecida. Apesar de também viverem pacificamente em nossa flora intestinal, certas variedades do micróbio podem causar diarreias e infecções urinárias. Mas, quanto à roupa, você pode ficar despreocupado: foi escolhido um tipo inofensivo ao ser humano. Isso quer dizer que o material é 100% seguro para ser manipulado – e, principalmente, vestido.
Posicionada entre a dupla camada de látex de que a roupa é feita, a E.coli usa sua habilidade de se contrair ou expandir de acordo com a umidade. Em contato com o calor ou suor, a colônia de bactérias que mora na roupa se retrai, abrindo o tampão que fecha os buracos. Uma vez que você já tenha se refrescado, as bactérias se expandem, fazendo com que a cobertura retorne a posição inicial.
Em testes feitos pelos pesquisadores, esse mecanismo foi ativado já a partir de 5 minutos de exercício intenso. Pessoas que vestiram a bioLogic, como esperado, terminaram seus exercícios mais secos e com menor temperatura em relação aos que usaram roupas de ginástica convencionais.
De acordo com os cientistas, é possível também modificar geneticamente as bactérias para usá-las em outras aplicações. Além de fazer seus exercícios com menos calor, com ajuda da E. coli você poderia, por exemplo, ter a chance de usar uma roupa que brilha no escuro, ou quem sabe, imune a odores desagradáveis. “No futuro, poderemos apostar em técnicas de mascarar o cheiro através de engenharia genética. Então, mesmo depois de ir a academia, a camiseta iria permanecer com um bom perfume”, diz Wen Wang, uma das autoras do estudo. Seria a redenção daqueles esportistas que se sentem prontos para qualquer programa logo após qualquer sessão de treinos, sem pensar na hipótese de um banho.

Postagens mais visitadas