Sutiã que detecta câncer de mama

Saúde é para se guardar bem perto do peito. Pelo menos é o que acredita o mexicano Julian Rios Cantu, que venceu o Prêmio de Estudante Empreendedor Global por desenvolver um sutiã que detecta sinais precoces de câncer de mama.

A ideia é básica: quando surge um tumor, a área ao redor dele se enche de vasos sanguíneos para “alimentá-lo”. É assim que o câncer cresce. Essa supervascularização pode ser detectada por um aumento de temperatura – mas que geralmente é imperceptível sem equipamentos muito específicos.
A grande sacada de Julian foi unir biosensores (que detectam essas mudanças) a análise de dados. Tudo isso dentro de um sutiã.
(Higia Tech/Reprodução)
Mulheres vestiriam o equipamento por pelo menos uma hora por semana. Além da estrutura de um sutiã normal, que mantêm os seios na mesma posição, o cybersutiã conta com 200 biosensores táteis, de calor e de luz, que detectam variações de textura, temperatura e cor, área por área da mama.
As informações que ele coleta são mandadas para um app e vão formando uma base de dados de como é a vascularização normal das mamas. Com uma base de dados sólida, fica mais fácil detectar quando existe uma mudança significativa – e o alerta permite que a paciente faça mais exames e comece uma intervenção precoce, antes do crescimento do câncer.
A ideia de Cantu foi inspirada na própria mãe. Sobrevivente da doença, ela teve que retirar as duas mamas quando ele tinha 13 anos. Sua criação é voltada para pessoas que, como ela, têm predisposição genética ao câncer e poderiam se beneficiar de um acompanhamento mais constante (e também muito prático) da saúde mamária. A ideia não substitui testes como a mamografia, mas seria uma parceira do autoexame das mulheres.
O sutiã ganhou o nome de EVA e a empresa de Cantu, Higia Tecnologies, recebeu US$ 20 mil do Prêmio pela ideia, que vai continuar a ser desenvolvida pelo jovem e outros três co-fundadores da start-up. 

Postagens mais visitadas