Você pegaria coqueluche por R$ 15 mil?

Pesquisadores da Universidade de Southampton estão oferecendo £3,526 (cerca de R$ 15 mil) para as pessoas aceitarem o desafio.

Eles querem fazer uma vacina mais eficaz para proteger bebês, crianças e adultos vulneráveis à doença.
Para ajudar, você precisa ter entre 18 e 45 anos, um bom estado de saúde e disposição para viver em uma unidade de isolamento por 17 dias - e cantar.

Gotículas de tosse

A coqueluche é uma doença altamente infecciosa, transmitida através de gotículas de saliva ou tosse de pessoas infectadas, ao serem respiradas por outros.
A equipe de Southampton quer infectar pessoas saudáveis colocando bactérias Bordetella pertussis, causadoras da doença, em seus narizes e acompanhar a recuperação.
Alguns voluntários ficarão doentes, mas os cientistas estão mais interessados naqueles que não desenvolverão qualquer sintoma apesar da exposição à bactéria nas gotas nasais.
Eles estão em busca de transmissores silenciosos e pessoas que são naturalmente imunes à infecção.
Transmissores silenciosos espalham a infecção a outras pessoas mas não ficam doentes. Eles parecem ter imunidade suficiente para combater a doença, mesmo sem ter a vacina.
Lenços de papelDireito de imagemLSOPHOTO/GETTY
Image captionA coqueluche é uma doença altamente infecciosa que é transmitida através de gotas de saliva ou tosse
Algumas pessoas, no entanto, são completamente imunes à infecção. Entender o motivo disso pode ajudar a desenvolver uma vacina mais eficiente.
"Queremos saber o que há de tão especial nessas pessoas e por que não podemos transformá-las em transmissores silenciosos", diz o líder do estudo, professor Robert Read, diretor do Centro de Pesquisa Biomédica NIHR de Southampton.

Infecção proposital

O experimento humano do professor Read é parte de uma pesquisa colaborativa de 24 milhões de libras financiada pela Fundação Bill e Melinda Gates e pela indústria farmacêutica para desenvolver uma vacina mais avançada.
Read quer 35 voluntários para ajudar seu time nos estágios iniciais da pesquisa.
Professor Rob ReadDireito de imagemUNIVERSITY HOSPITAL SOUTHAMPTON NHS FOUNDATION TRU
Image captionO professor Read diz que os voluntários merecem uma compensação financeira adequada pelo seu tempo
Uma vez infectados de propósito com a bactéria da coqueluche, esses voluntários compensados financeiramente viverão em isolamento no instituto de pesquisa por 17 dias.
Eles terão um quarto privado com acesso a banheiro, chuveiro e uma área de recreação.
Refeições, bebidas, lanches e entretenimento também serão oferecidos. Os voluntários terão que usar uma máscara quando em contato com visitantes ou com a equipe trabalhando no local para não infectar outras pessoas.
Eles terão de se submeter a coletas de material nasal e da garganta feitas com cotonetes, fornecer amostras de fluidos nasais ao limpar as narinas e deixar pedaço de papel filtro sobre cada narina por 5 minutos.
Esses procedimentos podem ser "um pouco desconfortáveis ou causar engasgamento, mas isso será resolvido rapidamente e não deve ser doloroso ou causar qualquer risco", diz o formulário para voluntários.
Os participantes também terão de sentar em uma sala de vidro - a "caixa da tosse" - e conversar, tossir e cantar para que os pesquisadores coletem gotas de cuspe no ar.
A Direito de imagemUNIVERSITY HOSPITAL SOUTHAMPTON NHS FOUNDATION TRU
Image captionA "caixa da tosse" que será usada no experimento
Os voluntários passarão por testes psicológicos durante o experimento para checar seu bem-estar mental.
Antes de voltar à vida normal, eles tomarão antibióticos para limpar qualquer infecção provocada pela bactéria.
O professor Read diz que o programa é "seguro e ético" - eles usarão a dose mais baixa possível da bactéria. Os voluntários também podem desistir a qualquer momento.
"Pode parecer algo meio Big Brother, mas eles estão livres para sair. Nos certificaremos que os voluntários entendam completamente o que está em questão para poder consentir de fato".

Tosse em loop

Em adultos, a coqueluche geralmente é uma doença de gravidade média que causa sintomas parecidos com os da gripe e uma tosse teimosa e irritante que pode durar meses. Adultos podem transmitir a bactéria a bebês e crianças. Para eles, a infecção pode ser perigosa e até mortal.
Bactéria da tosseDireito de imagemSPL
Image captionBactéria é transmitida pelo ar através de saliva ou tosse de pessoas infectadas
Entre 2010 e 2014, houve um aumento significativo da incidência de coqueluche no Brasil, principalmente em crianças com menos de 1 ano de idade, segundo o Ministério da Saúde. No entanto, segundo dados mais recentes do Ministério, os números diminuíram: foram 1.314 casos em 2016, em comparação aos 8.609 de 2014 (os dados estão sujeitos a revisão).
No mundo, a bactéria pertussis mata centenas de milhares de crianças, o que explica por que há uma pressão internacional tão grande para fazer uma nova vacina.
Ainda há campanhas para prevenir a infecção, mas não é tão eficaz quanto os médicos gostariam que fosse e a proteção da vacina diminui com o passar dos anos.
Antibióticos podem impedir a disseminação da bactéria, mas os transmissores silenciosos não sabem que estão infectados.
Quem tiver interesse em participar do estudo pode entrar em contato através do e-mail UHS.recruitmentCRF@nhs.net.

Postagens mais visitadas