Pular para o conteúdo principal

Vigilância Sanitária interdita 35 lojas do Shopping

A Vigilância Sanitária interditou 35 estabelecimentos do Shopping da Gávea, na Zona Sul do Rio, nesta terça-feira. Em mais uma etapa da operação “Vigilância no Shopping”, 26 lojas foram interditadas totalmente e outras nove de forma parcial.


Dos 120 estabelecimentos inspecionados, foram aplicadas 39 multas e inutilizado 31 quilos de alimentos. Das lojas interditadas totalmente, 12 comercializam alimentos, três são óticas, cinco são salões de beleza, uma academia, um consultório de fisioterapia, uma sala de massagem, uma de depilação, um consultório médico e um posto de coleta de materiais para exames laboratoriais.

Das interdições totais, 25 foram por falta de licenciamento sanitário e uma por falta de asseio e condições estruturais insatisfatórias do restaurante Papa Gui. Os estabelecimentos interditados por falta de licenciamento devem fazer a solicitação do documento para que possam ser reabertos. O restaurante interditado por condições higiênico-sanitárias inadequadas deverá providenciar a limpeza e os reparos solicitados pela Vigilância Sanitária.

A operação "Vigilância no Shopping" começou em maio e tem como foco estabelecimentos de alimentos, farmácias, óticas, climatização de ambientes, banheiros, água de consumo, acondicionamento e descarte do lixo, bem como as condições de trabalho dos funcionários do shopping e dos estabelecimentos que comercializam produtos e serviços no local. Até o momento, já foram inspecionados cinco shoppings e a operação continuará até inspecionar todos os grandes centros comerciais do município do Rio de Janeiro.

A assessoria de imprensa do Shopping da Gávea informa que o empreendimento colaborou com a operação realizada pela Vigilância Sanitária e esclarece que todas as lojas passam por fiscalização periodicamente: "Reiteramos, ainda, o compromisso do shopping com a satisfação dos clientes."


Do Globo

Postagens mais visitadas deste blog

Cuidado, 'cheirinho da loló' é mais perigoso do que parece

A causa da morte, na madrugada de segunda-feira, do adolescente de 17 anos que passou mal após consumir maconha e loló no Emissário Submarino, ainda não foi identificada. Mas, a suposta overdose pode ter sido causada pela inalação de loló, que é um preparado clandestino à base de clorofórmio e éter.
A Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Senad) classifica o loló, também conhecido como cheirinho da loló, como solvente ou inalante, que são substâncias consideradas inofensivas aos outros órgãos, a não ser o cérebro.
No entanto, um fenômeno produzido pelos solventes pode ser muito perigoso: eles tornam o coração mais sensível à adrenalina (hormônio fabricado pelo organismo), que faz o número de batimentos cardíacos aumentar.
“O clorofórmio é um anestésico que deixou de ser usado na Medicina porque pode provocar parada cardíaca. Se quem o inala tiver um problema no coração, o risco de ataque cardíaco é ainda maior”, afirma o cardiologista César Augusto Conforti.
De acordo com dados d…

Personal trainer morre com suspeita de febre amarela em hospital particular, em João Pessoa

A Secretaria de Saúde do Estado acompanha a investigação da morte de um homem natural do Espírito Santo por suspeita de febre amarela.

Galinha bota ovo gigante no município de Uiraúna - PB

Um caso inusitado foi registrado neste sábado (12), no Sítio Agreste, município de Uiraúna.