Em caso de apocalipse nuclear, não use condicionador de cabelo

Estamos no ano de 2042. Estados Unidos e Coreia do Norte deixaram de lado as ameaças e iniciaram uma guerra atômica sem precedentes, que dizimou quase toda a população mundial. 

Para os corajosos sobreviventes, sobrou uma vida digna de cenário apocalíptico. Os recursos são escassos, crimes são frequentes e há no ar um inimigo invisível e implacável: a radiação. Durante seu banho semanal, você reflete sobre a vida e resolve hidratar a juba castigada. Pode ter sido seu último erro. Para durar mais tempo, seria indispensável que você evitasse ao máximo os condicionadores de cabelo.
Parece brincadeira, mas essa é uma das recomendações repassadas pela Secretaria de Defesa Civil de Guam aos seus cidadãos. Tudo por causa das ameaças que a ilhazinha do pacífico controlada pelos EUA sofreu recentemente. Para garantir que a população estivesse devidamente preparada para lidar com mísseis norte-coreanos cortando o céu, as autoridades elaboraram um verdadeiro manual de sobrevivência a desastres – nos moldes daquele criado pelo Departamento de Segurança Pública norte-americano.
Quando uma bomba explode, sua destruição devasta completamente a área. Prédios, carros, construções, fauna e flora: tudo vira, literalmente, pó. Esta poeira, quando combinada com os restos de plutônio e urânio que sofreram fissão, cria um resíduo radioativo perigoso. Tais partículas podem grudar na pele e no corpo, se você estiver passeando na região atingida na hora e no momento errado.
Mas onde entra o condicionador livre de sulfato em que gastei uma nota?”, você deve estar se perguntando. O cosmético é capaz de facilitar esse efeito, permitindo que as pequenas partículas se alojem nas microfissuras dos cabelos humanos. É como se você passasse a carregar para cima e para baixo um capacete radioativo, bem pertinho do cérebro.
Lavar a cabeleira com sabão, detergente ou xampu – itens que talvez você arranje mais facilmente quando o mundo estiver acabando – daria conta de livrar seus cabelos desse efeito. O problema é o terceiro elemento. Os condicionadores costumam trazer em sua composição elementos como polímeros e surfactantes catiônicos. Além de terem um nome complicado, eles também aprisionam os detritos radioativos nos fios, colando tudo como se fossem super-bonder.
Perry Romanowski, químico da área de cosméticos, explicou à NPR que loções, tintas de cabelo ou outras alternativas muito oleosas podem ser consideradas inimigas mortais do pós-apocalipse. “Estes produtos ficam em contato com sua pele e podem atrair poeira e partículas radioativas que estão dispersas no ar. O que pode ser um problema”, completa.
Mas é claro, não adianta nada prestar atenção nas madeixas e deixar de lado outros cuidados básicos. Ficar próximo a áreas radioativas, onde as doses são mais altas, fará com que você sofra os efeitos mais diretamente. 

Postagens mais visitadas