Intoxicação alimentar em 45 alunos

A Vigilância Sanitária recolheu na tarde desta sexta-feira (30) amostras de alimentos e água da Escola Municipal Abdala José de Almeida, em Várzea Grande. 


Cerca de 45 crianças foram internadas no Pronto-Socorro e na UPA, com suspeita de intoxicação alimentar após almoçarem na escola.
Os alunos alegam que sentiram o mal-estar após tomar um suco industrializado, porém, o secretário Educação, Cultura, Esporte e Lazer de Várzea Grande, Silvio Fidelis, afirma que os produtos não passaram do prazo de validade.

Mariane Vitória Martins, de 11 anos, foi uma das estudantes que passaram mal, mas teve alta por volta das 16h. “Era um Kapo (suco industrializado), de maçã, laranja e maracujá. Tomamos e fomos lá para cima, e demorou um pouquinho e já tinha uma colega que estava ruim. Tinha mais gente ruim (por perto), fiquei com ânsia e vomitei”, relembra. Ela ainda teve dor de estômago, e afirma que o suco estava com um gosto ruim. 

Elaine Teixeira, mãe do aluno Kaike, de 11 anos, explica que assim que as crianças começaram a se queixar, a escola se prontificou para levar os estudantes pra UPA e Pronto Socorro. “Todos passaram mal antes de 13h, foi rápido. Mas a escola trouxe, deu os primeiros atendimentos para eles, tanto na escola quanto aqui. Fizeram os exames, mas são 3h para o exame ficar pronto, mas como tiveram melhora eles foram liberados”.
O secretario afirma que foram só as crianças que participam do projeto Escola em Tempo Ampliado (ETA) que manifestaram sintomas. Entretanto, cerca de 72 alunos fazem parte do projeto, mas apenas 45 foram encaminhados para as unidades hospitalares.
“O que pedirmos pra vigilância sanitária e equipe de alimentação escolar é fazer todo o diagnóstico, toda a questão pra gente ter uma posição do que houve. Agora o que verificamos, é que também vieram crianças que não tinham se alimentado lá. Então muitas vezes o que pode ocorrer é uma ansiedade, um stress de ver alguém passando mal”, explica.
O secretario afirma ainda que até 18h, todos os alunos receberiam alta. As crianças passaram por exames de sangue e tomaram soro.
Outro lado
A assessoria da Prefeitura de Várzea Grande informou por meio de nota que, apesar do mal-estar coletivo, apenas 5% dos alunos da escola passaram mal, uma vez que 800 crianças estão matriculadas na unidade. Elas foram todas atendidas e medicadas.
Veja a nota na íntegra
A Secretaria de Comunicação Social de Várzea Grande por meio de nota vem a público esclarecer os fatos ocorridos no início da tarde desta sexta-feira, dia 30, onde 45 crianças deram entrada em duas unidades de saúde de Pronto Atendimento de Várzea Grande, vítimas de possível intoxicação alimentar, por volta das 14h. Sendo 30 delas, no Hospital e Pronto-socorro Municipal de Várzea Grande e 15 na Unidade de Pronto Atendimento (Upa) do Ipase. A Vigilância Sanitária de Várzea Grande foi acionada, esteve na escola e fez a coleta de todos os possíveis alimentos que foram ingeridos pelos alunos, para que sejam feito análise em laboratório do material. Também foi colhida amostras de sangue dos alunos que passaram pelas unidades de saúde. Todos os 45 alunos foram prontamente recebidos, medicados e liberados já com os medicamentos prescritos pelos médicos. Vale ressaltar que na escola estudam 800 crianças e menos de 5% desses alunos foram afetados.

Fonte: R7

Postagens mais visitadas